A importância do auxílio emergencial. Esta foi a pauta do iDeclatra na Cultura desta terça-feira (23), que recebeu o professor e economista José Dari Krein, da Unicamp. Ele analisou, ao lado da advogada e diretora do iDeclatra, Mírian Gonçalves e da jornalista Mariane Antunes, os reflexos do benefício na economia e também na vida da população mais carente.

O fim do auxílio emergencial acontece em um momento em que o Brasil, na contramão do mundo, observa o número de mortes e novos casos seguirem estáveis em níveis alarmantes, enquanto a maioria dos outros países observa uma redução sustentada nos indicadores de saúde. Contudo, antes de encerrar definitivamente o programa, o Governo Federal já havia reduzido o valor de R$ 600 para R$ 300 e a parcela da população atingida de 67 para 30 milhões de pessoas.

“Não é possível aceitar, em nome da tese de que a economia está se recuperando, o fim do auxílio emergencial como fez o Governo. Foi um ato de desumanidade. Coisa de gente fora da realidade”, sentenciou o professor José Dari Krein. Para ele, o auxílio emergencial é uma das melhores alternativas encontradas para este período de excepcionalidade da pandemia. “A taxa de desemprego não subiu como se esperava”, completou.

Para Krein, a economia foi ativada neste período, muito, em virtude do benefício. “Você colocou dinheiro na mão das pessoas que gastaram, fundamentalmente, para comprar comida. O nível de atividade econômica não caiu mais em 2020 por isso, sem ele seria um desastre. O cálculo da queda do PIB de 4,5% poderia ter ficado entre 7 e 8%”, projetou.

“Foram beneficiados setores mais empobrecidos da sociedade. O número de pessoas miseráveis caiu no período, assim como o número de pessoas que passam fome. Ele ativa a economia local com um efeito multiplicador”, explicou o professor. “O auxílio voltará por uma questão política. Há um entendimento de que há possibilidade de um caos social muito grande, mas também porque eles estão pensando em sua recondução. É um cálculo político”, avaliou.

A diretora do iDeclatra, Mírian Gonçalves, criticou a proposta do Governo Federal que pretende um rigoroso ajuste fiscal para, segundo o Governo Federal, viabilizar a continuidade do benefício. “Ainda representa um valor muito maior do que será investido no auxílio emergencial. Mais: está em cima dos servidores públicos e do que é gasto em educação e saúde. Enquanto isso, estamos com níveis de desemprego que nem lembrávamos mais, com fome no País e a situação de miserabilidade na qual boa parte da nossa população foi conduzida”, pontuou.

Nesta edição você também confere outros aspectos relativos ao auxílio emergencial, as consequências práticas da proposta do pacto federativo proposto pelo Governo Federal, o impacto na saúde e na educação e muito mais..Confira o programa no vídeo abaixo e não se esqueça: O iDeclatra na Cultura é transmitido todas as terças e quintas-feiras, ao meio-dia, na Rádio Cultura de Curitiba. Você pode acompanhar o programa ao vivo pela AM 930, pelo site, pela Fan Page do Instituto Declatra ou da própria Rádio Cultura.

Foto de capa: Força Sindical / Fotos Públicas 

Compartilhe