Mais de meio milhão de mortos até o final de junho. Quantas outras acontecerão até o final do ano com Jair Bolsonaro na Presidência da República? O questionamento é da deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ) durante o Pensando Bem Ao Vivo, programa mensal de entrevistas do Instituto Defesa da Classe Trabalhadora (iDeclatra), que retornou para sua temporada de 2021 nesta segunda-feira (5). Ela conversou com o o advogado e diretor do iDeclatra, Nasser Allan. Na pauta o Governo Bolsonaro: terraplanismo sanitário e vergonha internacional.

“Essa tortura tem que findar. Ele vai levar esse país a meio milhão de mortos até o primeiro semestre. Imagina até o final do ano quantas serão. Não podemos mais conviver com isso. Precisamos interromper um processo que está matando quatro mil pessoas por dia”, afirmou a parlamentar durante o bate-papo na noite desta segunda-feira (5) no perfil do iDeclatra no Instagram. 

Nasser Allan e Jandira Feghali no Pensando Bem Ao Vivo. Foto: Reprodução / Instagram.

Jandira ainda listou uma série de problemas na condução da pandemia, que por si só, já justificariam o impedimento de Bolsonaro. “Interfere no combate à covid e no aumento de mortes. Esse já é o crime do Presidente da República e já deveria ter caído por conta disso. Induziu à aglomeração, ao não uso de máscaras e ao tratamento precoce que não existe. Os dois primeiros ministros caíram porque começaram a ampliar a contradição neste ponto. O terceiro disse ‘manda quem pode e obedece quem tem juízo’. O quarto entra dizendo que ele tem que proibir o lockdown. Não podemos mais conviver com isso”, completou a parlamentar que também é médica.

A deputada ainda criticou a proposta do Governo Federal que pretende liberar a compra de vacinas contra a Covid-19 para a iniciativa privada, ainda que os laboratórios já tenham reafirmado que negociarão as doses apenas com o poder público. “Agora querem o camarote da vacina e com isenção fiscal. Fura a fila com dinheiro do povo. Hoje há monopólio de patentes dos países ricos e passaríamos a ter no Brasil, com grupos privados comprando vacinas para os seus, independente do SUS. É inacreditável”, enfatizou ao lembrar que hoje 30% dos países concentram 70% das doses disponíveis.

Durante o programa, ela ainda conversou com Nasser Allan sobre o agravamento da pandemia, os índices de aprovação de Bolsonaro, a sua base de apoio, as contradições nos discursos envolvendo o lockdown, as dificuldades do País em reativar a economia, o regresso da fome e ausência de políticas públicas para combatê-la e muito mais. O programa é transmitido, sempre pelo perfil do Instituto no Instagram, às 18h05, na primeira segunda-feira de cada mês. Clique aqui para assistir na íntegra o bate papo e também para acessar o perfil no IG, siga, comente, compartilhe e não perca nenhum conteúdo!

Foto de capa: Karina Zambrana/ ASCOM/ MS

Compartilhe