Rachadinhas, cocaína no avião, líderes envolvidos em denúncias, milícias, orçamento secreto de R$ 3 bilhões, trator que valia R$ 200 mil sendo comprado por R$ 600 mil, cartões cooperativas secretos, férias milionárias, compra bilionária de chicletes, leite condensado e picanha para o exército. Estes são apenas alguns dos escândalo que rondam Jair Bolsonaro e seu círculo próximo.

Eleito a partir de um discurso contra a corrupção, o ex-deputado federal por sete mandatos consecutivos, começa a deixar as contradições entre seu discurso e a prática cada vez mais evidentes. Do meio ambiente, passando pela Presidência da República, até seus filhos. Denúncias pipocam e não há qualquer explicação para a sociedade sobre as suspeitas. Para falar sobre o tema e lembrar alguns dos escândalos envolvendo o capitão o iDeclatra na Cultura desta terça-feira (1) recebeu o deputado estadual do Paraná, Tadeu Veneri.

“Trata-se do falso discurso do governo incorruptível. Uma narrativa extremamente falsa, mas extremamente eficiente. Primeiro porque é construída em cima da negação da política, mas aí está o centrão alugado por Bolsonaro. A nova política, que de nova, não tem nada. Esse é um discurso preparado, construído, a partir de velhas práticas mas com uma roupagem nova”, apontou o deputado. Segundo ele, este tipo de discurso além de ser de fácil aceitação por parte da população, também tem um apelo especial nas camadas mais jovens. “Também faz parte do processo de tentar encontrar uma forma de aproximação com os jovens, que são contestadores. Todo o processo da nova juventude é de contestação e afirmação”, completou.

Um dos exemplos citados por Veneri é o Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. “Esse discurso do Novo, por exemplo, cabe para o Ricardo Salles, que é do Partido Novo. Ele que destruiu a Amazônia e agora está sendo investigado”, exemplificou. Mas, segundo o parlamentar, é preciso ampliar o olhar para buscar a verdadeira origem dos problemas. “Todo dia alguém é escalado para no distrair no picadeiro, desviando o foco, enquanto o verdadeiro motivo deste governo é a Faria Lima”, enfatizou Veneri, fazendo referência à avenida em São Paulo onde está localizada a sede de grandes grupos e federações que representam os empresários.

“Situação que se repete no Paraná. Aqui, foi o G7, o grupo das grandes federações que incluí indústria, agricultura, transporte e comércio, por exemplo, que bancaram o governador Carlos Massa (Ratinho Jr). A privatização da Copel, rodovias, usinas, incentivos fiscais, isso tudo não é por acaso”, analisou. O estrago, segundo ele, demorará décadas para ser superado. “Estão nos transformando em um exportador de matéria-prima. Estamos regredindo 100 anos. Não se recupera um país, ainda mais do tamanho do Brasil, em 10 anos. Não consegue. Quando sinalizamos que esse salto poderia acontecer em 25 anos veio o golpe (de 2016)”, lamentou.

Nesta edição você também confere detalhes sobre as denúncias e dúvidas que pairam sob o governo de Jair Bolsonaro, a estrutura social brasileira a partir das famílias que controlam o país financeiramente, o velho discurso da nova política, as desigualdades sociais e seus desdobramentos, o falso discurso da meritocracia e muito mais.

Veja o programa no vídeo abaixo e não se esqueça: O iDeclatra na Cultura é transmitido todas as terças e quintas-feiras, ao meio-dia, na Rádio Cultura de Curitiba. Você pode acompanhar o programa ao vivo pela AM 930, pelo site, pela Fan Page do Instituto Declatra ou da própria Rádio.

Compartilhe